Cultura

SJ: Museu Histórico recebe Oficina de Contação de Histórias

Neque porro quisquam est, qui dolorem ipsum quia dolor sit amet, consectetur, adipisci velit, sed quia non numquam eius modi tempora.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Foi o quarto encontro para a formação de contadores de histórias da rede municipal

 

O Museu Histórico de São José foi o palco do quarto encontro da Oficina de Contação de Histórias. A formação contou com a presença da aluna Alissa Brasil Lisbôa da Silva, que trouxe novas perspectivas aos participantes, apresentações de contação de história e um passeio ao Beco da Carioca, um dos marcos históricos de São José. A oficina integra o programa Hora do Conto Itinerante, desenvolvido pelo Setor Pedagógico da Educação Infantil da Secretaria da Educação de São e que já formou mais de 200 contadores de histórias.

O encontro foi iniciado por Alissa Brasil Lisbôa da Silva. Hoje com 11 anos, a menina já frequentou o Centro de Educação Infantil São José e levou aos educadores ideias de como enriquecer a contação de histórias, criando maquiagens específicas e adereços, conciliando sua fala com o personagem. Alissa mostrou ainda fotos de diversas maquiagens criadas por ela, junto com o livro da história que a inspirou. Encerrou esse primeiro momento colocando em prática suas ideias, ao maquiar a professora Jânia Mara Chini Citadini, auxiliar de ensino no CEI Santo Antônio.

A contribuição da menina teve grande efeito nos professores, promovendo uma reflexão sobre o respeito aos direitos das crianças, quanto a ouvi-las e valorizá-las, reconhecendo suas vivências, habilidades criativas e bagagem de conhecimento. Além de reforçar a importância do incentivo à leitura, que traz inúmeros benefícios, como a ampliação do vocabulário, auxílio à desenvoltura para falar em público e estímulo à imaginação.

A professora Ligia Barreto da Silva aproveitou a colaboração de Alissa para chamar a atenção para as possibilidades de trabalhar as narrativas de maneira divertida e dinâmica. Enfatizou também o fato de que um personagem criado por um contador de histórias pode ser único, sem precisar se fantasiar de outro personagem, pois essa é uma das características, que diferencia um contador de histórias, de um ator de teatro.

No segundo momento, a professora Vera Lúcia Sabino apresentou uma personagem idealizada por ela, a Dra. Sucata. Contou a história da sua criação ensinando as participantes a confeccionarem bonecas de papel com materiais recicláveis. As professoras ficaram encantadas diante de tantas possibilidades que a técnica permite.

Outro momento de destaque foi a visita ao Beco da Carioca, onde, diante da natureza, entre árvores, canto de pássaros, som de água corrente e o perfume de flores, as personagens TIC e TAC se apresentaram. A partir da história e música de autoria própria, as personagens trouxeram um baú repleto de brinquedos heurísticos, não estruturados, que possibilitam às crianças a amplitude de suas percepções sobre o mundo e suas sensações.

Foi neste cenário que a personagem Fada Luz, encenada pela coordenadora do Setor Pedagógico de Educação Infantil, Márcia Figueredo Rizzaro, fez com que suas roupas brancas se transformassem e suas asas se perdessem, aprendendo com as fadas que “quem dá asas à imaginação não precisa de asas para voar”.


SJ: Museu Histórico recebe Oficina de Contação de Histórias
Flor
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flor
To Top